Você está aqui: Home » Notícias » Mina de ouro pode fazer nascer um novo país

Mina de ouro pode fazer nascer um novo país

Compartilhe no:

Panguna, que oficialmente faz parte da Papua-Nova Guiné, pode se tornar um país independente graças à mineração de ouro e cobre. Minas encontradas na região estão atraindo investidores que desejam explorar reservas naturais estimadas em mais de US$ 60 milhões (R$ 252 milhões).  A Rio Tinto operou em Panguna durante 17 anos através da subsidiária […]

Mina de ouro pode fazer nascer um novo país
Mina de ouro pode fazer nascer um novo país

Panguna, que oficialmente faz parte da Papua-Nova Guiné, pode se tornar um país independente graças à mineração de ouro e cobre. Minas encontradas na região estão atraindo investidores que desejam explorar reservas naturais estimadas em mais de US$ 60 milhões (R$ 252 milhões). 

A Rio Tinto operou em Panguna durante 17 anos através da subsidiária Bougainville Copper, mas a gigante industrial acabou fechando em 1989. Sua saída do mercado coincidiu com protestos locais que se estenderam pela ilha para exigir maiores recompensas financeiras da indústria de minérios para as comunidades locais. Os tumultos finalmente desembocaram em uma guerra civil que acabou com a vida de 20 mil pessoas.

Desde então, a mina permaneceu em um estado de limbo. Porém, esta situação pode mudar em breve: a Região Autônoma de Bougainville começou a preparar o caminho para sua independência da Papua-Nova Guiné após o referendo em que a maioria absoluta dos habitantes votou pela soberania plena.

Raymond Masono, vice-presidente e ministro dos Recursos Minerais e Energia de Bougainville, comunicou que as autoridades locais não negociarão com investidores sobre Panguna até que não se levante a moratória imposta à implementação de trabalhos nessa mina.

Não obstante, o futuro desenvolvimento da mina pode ajudar as autoridades a reunir a verba necessária para poder financiar um Estado independente. Muitos esperam que as riquezas minerais sejam capazes de reduzir finalmente a pobreza na região onde vivem ao menos 300 mil pessoas. O PIB por habitante é de somente US$ 1.000 (R$ 4,19 mil).

O futuro bem-estar da ilha dependerá não somente do restabelecimento do desenvolvimento de Panguna, mas também da capacidade do governo local de assegurar que os recursos serão utilizados de forma eficiente, conforme afirma o jornalista Aaron Clark em artigo para a Bloomberg.

Fonte: Sputnik