Você está aqui: Home » Notícias » O Santo do Pau Oco

O Santo do Pau Oco

Compartilhe no:

O ouro faz parte da cultura brasileira e há muitas histórias que ilustram sua importância para o desenvolvimento do nosso país. Uma delas que ficou muito famosa é o “Santo do Pau Oco”. Você sabe como surgiu essa expressão?  Tudo começou quando o Brasil era colônia de Portugal e vivia seu ciclo do ouro nas […]

O Santo do Pau Oco
O Santo do Pau Oco

O ouro faz parte da cultura brasileira e há muitas histórias que ilustram sua importância para o desenvolvimento do nosso país. Uma delas que ficou muito famosa é o “Santo do Pau Oco”. Você sabe como surgiu essa expressão? 

Tudo começou quando o Brasil era colônia de Portugal e vivia seu ciclo do ouro nas capitanias de São Paulo e das Minas Gerais, em meados do século 17. Navios abarrotados traziam gente de todas as classes em busca do sonho dourado. Arraiais, vilas e cidades foram sendo formadas nas redondezas das minas de ouro. O precioso metal brotava do chão, a riqueza era imensa e fácil de ser encontrada.

Para que a coroa portuguesa fosse beneficiada pelo trabalho executado na colônia, D. João V, rei de Portugal, criou Casas de Intendência para fiscalização e controle da produção, e um imposto que ficou sendo conhecido como “o quinto”, pois correspondia a 20% da produção.

Todo o ouro extraído deveria ser levado para fiscalização. Eram as Casas de Fundição. Lá o ouro era pesado, seu teor testado para ser fundido em seguida. Um quinto do peso era retido para ser enviado à coroa portuguesa.

O descumprimento desta determinação acarretava sérias consequências. Muitos garimpeiros procuraram maneiras de escapar das garras deste sócio indesejado. Sendo o Brasil um país muito religioso, com devoção aos mais variados santos e imagens, alguns garimpeiros mandavam executar estátuas de madeira completamente ocas. Eram então preenchidas com ouro em pó, que passava despercebido pelos controles e fiscalização das áreas de garimpo.

A expressão acabou ficando famosa e se tornou bastante usada em todas as regiões do Brasil. Atualmente o seu sentido denota o nível de falsidade ou hipocrisia de alguém. Em seu sentido figurado, esta expressão também serve para indicar que determinada pessoa aparenta algo que não é, iludindo todos a sua volta.

 

Fonte: Multi Varejo