Você está aqui: Home » ABRAMP » Pará apresenta o maior número de trabalhadores informais do país, diz IBGE

Pará apresenta o maior número de trabalhadores informais do país, diz IBGE

Compartilhe no:

Os dados divulgados pelo Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que em comparação com os demais estados brasileiros, o Pará apresenta o maior percentual de trabalhadores informais, considerando o conjuto dos trabalhadores da Região Metropolitana de Belém (RMB) e do interior, já que 58,7% deles estavam na informalidade. Segundo o IBGE, no primeiro […]

Os dados divulgados pelo Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que em comparação com os demais estados brasileiros, o Pará apresenta o maior percentual de trabalhadores informais, considerando o conjuto dos trabalhadores da Região Metropolitana de Belém (RMB) e do interior, já que 58,7% deles estavam na informalidade.

Segundo o IBGE, no primeiro trimestre de 2019, havia 1,48 milhões de trabalhadores na informalidade no interior do estado do Pará. Este número é quase três vezes maior que os 551 mil trabalhadores na mesma condição na Região Metropolitana de Belém. Ou seja, 49,9% dos trabalhadores da RMB estavam na informalidade, enquanto que no interior do estado esse número subia para 62,5%.

Em termos absolutos, o Pará foi o quarto estado com a maior quantidade de trabalhadores na informalidade no interior ( 1,48 milhões). O primeiro colocado foi São Paulo (3,08 milhões) e o último Roraima (31 mil). Todos os estados da Região Norte e Nordeste apresentam percentuais de informalidade acima da média do País (36,3%), indicando as desigualdades regionais e o agravamento desse problema nos estados mais pobres.

Para quantificar a informalidade são considerados os empregados  e trabalhadores domésticos sem carteira assinada, os empregadores e trabalhadores conta própria sem CNPJ e contribuição para Previdência oficial e os trabalhadores familiares auxiliares.

Já a quantidade de desempregados no interior somava 270 mil trabalhadores (61,3% do total do estado), enquanto na Região Metropolitana de Belém era de 171 mil (38,7% do total do estado). Já a taxa de desemprego foi de 14,3%, na RMB,  e ficou em 10,2% no interior.

Fonte: www.folhadoprogresso.com.br/